sábado, 15 de setembro de 2012

Programa do Equinócio de Outono

Tongobriga, berço dos cultos romanos

Tida como capital do Noroeste da Hispânia Romana, Tongobriga comprova a simbiose de culturas milenares. A veneração a Júpiter, a Fortuna, a Cibele ou ao deus Tongo, que empresta o nome à cidade, foi passando de geração em geração até chegar aos nossos dias.

A par da pujança arquitetónica, a cidade exibia ainda numerosas estruturas para exploração das potencialidades dos solos agrícolas e florestais da região. Desde o século I d.C. que o ritmo da vida em Tongobriga se regia pelo calendário solar de 12 meses, implementado por Júlio César.

Com a introdução de januarius e februarius, o imperador substituiu o calendário lunar, esse constituído por uma dezena de meses.

Em Setembro comemorava-se a festa das colheitas, uma data em que as populações rurais enfeitavam a casa com sementes para renascerem na Primavera, evidenciando o “ciclo da terra”.

Em contrapartida, os urbanos organizavam as festas do panteão romano em honra de Júpiter, Juno, Minerva, Apolo e Vénus. O momento era ainda realçado pelo tradicional panteão celta, destinando essa noite ao pedido de harmonia no amor e de proteção para as pessoas que amavam, bem como à homenagem dos antepassados.


No encalço da cidade romana

Por detrás das ruínas esconde-se a história de Tongobriga, a cidade romana que coincide com a atual aldeia de Freixo, no concelho de Marco de Canaveses. Há mais de três décadas que ali se efetuam escavações à procura de evidências arqueológicas.

O forum, as termas, a basílica e o teatro são vestígios que corroboram o domínio po¬lítico- administrativo e cultural que Tongobriga exercia. “Fora de portas” foi ainda identificada uma necrópole, onde as sepulturas escavadas denunciam o ritual de cremação.

A estrutura castrejo-romana em Tongobriga, provavelmente pelo imperador Augusto, amadureceu política, administrativa e economicamente, culminando no nascimento de uma cidade. Estima-se que a cidade terá sido habitada por mais de 2 500 pessoas.

Com uma área de 50 hectares, o sítio arqueológico está classificado como Monumento Nacional desde 1986, registando uma média anual de, aproximadamente, 15 mil visitantes.

Programa
Sexta-feira, 21 de Setembro
18h30: início da visita guiada a Tongobriga
20h: jantar temático
22h: atuação do coral de Vila Real
23h30: Queimada do Equinócio, pela mão do padre Fontes

Sábado, 22 de Setembro
7h: ritual do Equinócio (na Serra da Aboboreira)
8h: pequeno-almoço

Sem comentários:

Publicar um comentário